HISTÓRICO

A idéia da criação do MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL DE TAUBATÉ (MHNT) surgiu algumas décadas antes da sua inauguração. Nos anos de 1976 a 1978, o pesquisador taubateano Herculano Alvarenga descobriu, restaurou e estudou o esqueleto quase completo de uma gigantesca ave fóssil que após estudá-la, batizou com o nome de Paraphysornis brasiliensis.

Era uma ave com mais de 2 metros de altura, carnívora que viveu na região do Vale do Paraíba, no sudeste brasileiro. O fóssil foi descoberto ao lado de Taubaté, no município de Tremembé (há não mais de uns 8 km de onde hoje está o museu). Após a descrição original (Anais da Academia Brasileira de Ciências, vol. 54: 697-712/1982 e vol. 65: 403-406/1993), o Paraphysornis ganhou grande notoriedade na comunidade científica.

Várias réplicas da ave gigante foram feitas e permutadas com diversos museus do mundo. O resultado foi a aquisição de um rico acervo, que com o tempo foi sendo acumulado na casa do pesquisador. Tal acervo foi também enriquecido com outros materiais obtidos em outras incursões não só na Bacia de Taubaté, mas também em regiões diversas do Brasil e do exterior.

Além do acervo já referido, também uma rica coleção de esqueletos foi organizada para pesquisa comparada do material paleontológico, e também alguns milhares de animais foram taxidermizados (embalsamados).

Em 27 de novembro de 2000, com a ajuda de diversos amigos, pesquisadores e colaboradores, Alvarenga instituiu a FUNDAÇÃO DE APOIO À CIÊNCIA E NATUREZA (FUNAT), para a qual passou todo o acervo, acompanhado de um estatuto cuidadosamente elaborado, com a finalidade única da criação do MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL DE TAUBATÉ (MHNT). A cidade de Taubaté, com política amadurecida, ofereceu um sólido apoio da Prefeitura e um prédio foi empreendido para dar início ao museu.

Desta forma, em 02 de julho de 2004 foi inaugurado o MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL DE TAUBATÉ em sede adequada, cercado de espaço para crescimento futuro. Apesar de tudo, ainda falta muito a fazer.

O Paraphysornis, que viveu nesta região há cerca de 23 milhões de anos, foi o grande motivador dessa epopéia e por isso ganhou o título de símbolo do MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL DE TAUBATÉ; a sua versão animada, o FISÓ, criado pelo artista Marcos Sachs, hoje é mascote do MHNT. Após a inauguração, o pensamento de todos que participaram continua presente: “inaugurado sim, pronto nunca”, ou seja, o museu deverá ser sempre renovado, modificado e ampliado; e assim tem sido.

 

A primeira foto do Paraphysornis - início da restauração da ossada original (1977).

 

Esqueleto do Paraphysornis montado no Ibirapuera, São Paulo (exposição "Dinos na Oca"- 2006).

 

Reconstituição do Paraphysornis.

 

Fisó - mascote do MHNT.

 

Esqueleto montado do Paraphysornis no MHNT.